Recaptulando os conceitos, Cloud Computing pode ser definido como um modelo em que a computação, processamento, armazenamento e softwares estão em algum lugar da rede, onde acessamos remotamente, via internet, sendo ele totalmente elástico ou escalonável.

O apetite e o entusiasmo de companhias com o Cloud Computing se deve às inúmeras vantagens que ele pode oferecer. Fornecedores de tecnologia e usuários não “ficam” presos a um modelo que definitivamente já está ultrapassado. O modelo prevê um aproveitamento inteligente dos investimentos. Um dos pilares do Cloud Server da RedeHost é a consolidação dos recursos de hardware onde eles possam ser aproveitados ao máximo e gerenciados de forma racional, proporcionando economia.

Outra vantagem do Cloud Computing é a flexibilidade. Se você precisa de mais processamento, você faz upgrade imediato de capacidade, sem precisar trocar componentes ou até equipamentos inteiros para isto. Melhor ainda, o usuário final não precisa de uma máquina potente para ter acesso a esses recursos, uma vez que tudo que ele precisa é de uma boa conexão com a internet, pois seu poder de processamento e memória estão “nas nuvens” dentro do Cloud Server.

Para finalizar o Cloud Server pode assumir o papel de bem feitor em empresas por possibilitar a realização do sonho de todo administrador de rede… um “servidor” para cada aplicativo já que esta medida garante uma maior disponibilidade dos serviços, uma vez que ao falhar uma “máquina” só este serviço fica indisponível, aliás, com o Cloud Server RedeHost é só uma questão de instantes para que isso se resolva e esta máquina migre automaticamente para outro servidor totalmente disponível.

Bom, acho que por hoje é só fiquem com esta frase e pensem nela.

“Ao longo do tempo, as empresas terão de ir para esse modelo também ou cairão na obsolescência.”
Nicolas Carr – consultor e “futurólogo de TI”

Comente este post