O número específico de IOPS, em qualquer configuração de sistema,  irá mudar muito de acordo com as variáveis da entrada no programa,  balanço da leitura e escritura das operações,  mistura de padrões de acesso sequencial e aleatório,  número de threads,  profundidade da fila , bem como os tamanhos dos blocos de dados. Há outros fatores que também podem afetar os resultados de IOPS, incluindo a configuração do sistema, controladores de armazenamento etc.

IOPS (input e output de operações por segundo) é uma medida de desempenho comum usado para dispositivos de armazenamento como discos rígidos (HDD), drives de estado sólido (SSD), e redes de área de armazenamento (SAN).

Um Bilhão de IOPS, como assim?

 

Nesse quesito, as variações são maiores em termos computação em nuvem. Os fatores que mais influenciam são o tipo de disco usado (SAS, SATA ou SSD), o modelo de Storage e o tipo de RAID empregado e como é o sistema de Virtualização que  gerencia esse cenário. A exigência de IOPS é medida pelo quão crítica é a missão do cenário pretendido. Para dar um panorama dessa variáveis, vamos analizar todos esses elementos:

O disco SATA é o sucessor da tecnologia ATA, também conhecido como IDE. O SATA é um disco criado para uso em desktops e possui ciclo de 7.200 rpm que nos confere em média 90 a 110 IOPS.

O SAS é um barramento serial que costuma ser utilizado em servidores, por ser mais confiável e rápido que o SATA. Possui modelos com ciclo de 10.000 rpm que nos confere em média de 150 a 170 IOPS; e modelos de 15.000 rpm que permitem 190 a 200 IOPS.

O SSD (solid-state drive) é um tipo de dispositivo sem partes móveis e mecânicas para armazenamento não volátil de dados digitais. Essa tecnologia já tem mais de 3 anos de mercado e ainda não trabalha com valores acessíveis comercialmente falando.

Importante citar a tecnologia RAID como um dos principais conceitos quando o assunto é armazenamento de dados. Sua eficiência é comprovada por se tratar de uma tecnologia em uso há vários anos. A influência do RAID é bem complexa e o tema é bem mais extenso, de acordo com nosso Gerente de TI, Diego Voltz, para fins de medição de performance de IOPS, o mais eficiente é o RAID 50 pois ele é um arranjo híbrido que usa as técnicas de RAID de paridade em conjunção com a segmentação de dados.

HDD, SAN ou SSD?

 

Segundo Diego: “Um dos nossos Storages (modelo Dell EqualLogic da série PS6500) tem 14 discos (dois em RAID5 com 7 discos, constituindo um RAID50) que necessitam de 4 IOPS para cada gravação mas para leitura usa apenas 1 IOPS devido a paridade dos discos, essa qualidade de Storage e tipo de RAID empregado nos garante um total 3.700 IOPS reais para cada Storage.”

A RedeHost trabalha com o Microsoft System Center,  que possibilita o rápido balanceamento e distribuição desses IOPS dentro do Cluster formado a partir do Storage. A larga experiência em Virtualização, permite à RedeHost oferecer a seus clientes Cloud Servers com garantia de muitos IOPS!

Comente este post