Cloud Computing costuma ser usado para criação de nuvens públicas, mas existe também a opção de criar uma nuvem privada. Esta opção é altamente considerada em empresas que já tem grandes políticas de segurança e são limitadas pelas regulações de suas estratégias de negócios.

Quando falamos em nuvem privada, e principalmente do gasto da mesma, entendemos que ela gera normalmente o mesmo valor que uma pública. Entretanto, é possível, ao optar pela privada, otimizar de forma relevante esses gastos operacionais, pois os processos de automatização, virtualização, padronização e self-service minimizam de forma radical os altos custos com suporte.

Na verdade, ao rasurar uma estratégia de adoção de private cloud, a empresa deve definir como parâmetros de benchmarking não mais os data centers de empresas do seu setor, mas os data centers das empresas oriundas do mundo de cloud hosting como a RedeHost por exemplo. Os resultados obtidos podem ser muito impressionantes, como redução do time-to-deployment dos seus novos sistemas de semanas para horas ou minutos, exageros a parte isso é apenas uma média, é claro.

Ter seu próprio private cloud é sim uma boa idéia. Mas é válido para todas as empresas? As empresas com data centers pequenos não conseguem obter ganhos de escala suficientes para gerar uma relação custo x benefício ideal para construir e operar nuvens privadas. Isso é muito complexo. A solução para elas, é migrar para nuvens privadas alocadas em empresas de cloud hosting que possuem data centers robustos e know how em virtualização.

Para finalizar, é bom lembrar que o ambiente de cloud é muito flexível, não precisando ser tudo em nuvem privada ou tudo em nuvem pública. Podemos usar as nuvens híbridas, atendendo parte das demandas computacionais da empresa em nuvens privadas e parte em nuvens públicas. Por exemplo: um cenário complexo com uma private cloud usada como bd server (onde a o projeto é mais crítico) e outras public clouds usadas como web servers e application servers.

Já chegamos no ponto de não mais ter sentido a pergunta se vamos ou não para cloud, mas sim quando e com qual velocidade iremos! Para lhe ajudar a tomar esse tipo de decisão, a RedeHost tem um departamento comercial que cuida de demandas corporativas que normalmente requerem projetos de nuvem privada, o RedeHost Corporate. Em resumo, cloud já está entre nós a muito tempo. Se vamos começar por nuvem pública ou privada depende da estratégia da empresa e de suas características.

Comente este post