Sitemap

Em uma rápida pesquisa na internet procurando formas de melhorar o posicionamento do seu site nos mecanismos de busca, você certamente irá se deparar com alguns termos como SEO, link building, backlinks e sitemaps. Todos eles são elementos muito importantes para garantir que sua página esteja bem rankeada no Google, Bing e outros buscadores.

Um deles é item essencial para toda e qualquer página na internet, seja ela um e-commerce ou um site institucional. Estamos falando dos sitemaps.

Depois de ler esse artigo você vai saber tudo sobre sitemaps: o que são, como criar e qual a sua importância para o SEO e ainda vai aprender a criar o sitemap do seu site.

O que são Sitemaps?

Sitemaps são arquivos salvos no servidor em que seu site está hospedado e servem como mapas do seu site indicando para o crawler do buscador o caminho que deve ser percorrido em seu site. Crawlers são os robôs que vasculham as páginas da web em busca de conteúdo relevante para cada pesquisa feita.

No sitemap de um site estarão contidas as suas principais URLs bem como sua hierarquia, e arquitetura de links. As URLs podem indicar páginas do seu site, posts do blog ou qualquer outra página que você considere importante para sua empresa.

Qual o formato de um sitemap?

Na hora de salvar o sitemap do seu site é muito importante ficar de olho no formato do arquivo que você irá gerar. Existem três formatos padrões que você pode gerar o seu:

XML

O formato mais utilizado nos sitemaps é o .xml. Nesse formato você consegue, além de listar as URLs do seu site, incluir algumas informações a mais no arquivo, como: data de modificação da URLs e a prioridade de uma página frente às outras.

TXT

Já o formato .txt é mais simples e contempla apenas a lista de URLs do seu site, sem qualquer outra informação ou organização.

Atom-RSS

Por último, o formato Atom-RSS, que é muito utilizado para blogs. Nele, o feed de postagens funciona como sitemap, e leva a data de postagem como fator de prioridade das URLs.

Exemplos de sitemaps

Para deixar mais fácil o entendimento da diferença entre os aquivos, confira um exemplo de sitemap criado nos diferentes formatos:

XML

Sitemaps xml

TXT

Sitemaps txt

Atom-RSS

Sitemaps atom

Como criar um sitemap?

Para criar o seu sitemap são necessários quatro passos:
Primeiro você precisa decidir quais páginas do site serão rastreadas pelos buscadores e definir a versão canônica de cada página. Depois precisa definir o formato que irá utilizar em seu arquivo. Feito isso, é importante testar seu sitemap usando a ferramenta de teste de sitemaps do Search Console. Por último, é hora de disponibilizar seu arquivo para o Google.Você pode enviar seu sitemap para o Google de duas maneiras: através do Google Search Console: acesse a aba “Rastreamento”, clique em “Sitemap” e depois “Adicionar/Rastrear Sitemap”. Ou, se preferir, é só inserir a seguinte linha no arquivo Robots.txt e inserir o arquivo sitemap na pasta principal do seu site.

Geradores de sitemap

Se você preferir pode utilizar um gerador de sitemap para criar o seu. Existem algumas alternativas muito interessantes que podem te ajudar nessa tarefa:

O site https://www.xml-sitemaps.com oferece três opções para você criar o seu arquivo: gerador online, uma versão PRO que permite indexar até 1.500.000 páginas e outra instalável sem limite de páginas. Já no site http://www.web-site-map.com você só precisa colocar a URL do seu site e em instantes gerará o sitemap do seu site online com limitação de até 50.000 páginas. Se você deseja gerar um sitemap para seu blog WordPress pode utilizar o Google (XML) Sitemaps Generator para WordPress para criar o seu.

Boas práticas

Na hora de criar o sitemap do seu site existem algumas boas práticas que você pode seguir para garantir que tudo saia bem. Separamos duas dicas práticas que podem ajudar na criação do mapa:

Tamanho e quantidade de URLs

O Google não trabalha com sitemaps com mais de 50 mil URLs e com tamanho superior a 10mb, por isso, cuidado na hora de criar o seu.

URLs canônicas

O Google considera páginas duplicadas toda página do seu site podem ser acessadas por URLs diferentes ou páginas que possuem conteúdos parecidos e, por isso, na hora da indexação irá considerar somente uma URL como a versão canônica e fará o rastreamento dela. Por isso, tenha atenção com essas páginas e no seu sitemap informe qual delas deverá ter prioridade frente às outras ou se todas possuem a mesma prioridade.

Seu site precisa de um sitemap?

Existem algumas situações em que o uso de um sitemap é altamente recomendado para melhorar o rastreamento do seu site. Por exemplo:

  • Se o seu site é muito grande é provável que o Google não rastreie algumas páginas, especialmente páginas novas ou as que foram atualizadas recentemente.
  • Se o seu site é novo e possui poucos links externos. O crawler do Google segue o caminho de uma página para a outra através dos links. Se o seu site não estiver referenciado em páginas externas o robô poderá não detectar suas páginas.
  • Se o seu site utiliza conteúdo rich media, o Google poderá extrair informações adicionais do sitemap para usar nas pesquisas quando necessário.

Preparado para criar o sitemap do seu site agora? Esperamos que você tenha ótimos resultados 😀

 

Total
3
Shares